28.9.07

Ponte de Ferro De BLUMENAU (SC)



-“Mamãe, para onde aponta esta ponte?”
Ouvia sempre dela uma resposta, proferida de imediato e que me acalmava.
Nem sempre era a resposta que eu queria ouvir, nem sempre era a mais apropriada, na minha concepção infantil. Porém mais tarde, quando não tive mais a quem perguntar, conheci a angústia do caminhante só, ao deparar-se com uma ponte, não sabendo se deve atravessá-la ou não.
Não sabendo sequer, para onde ela o levará.
Meu fascínio por pontes vem da infância, e continua até hoje, junto com o caminho que faço para desvendá-las.

Ponte Capilano - Vancouver - CA


pontes
são
passagens
plataformas
que apontam
para pontos
do outro
lado
de
mim
mesma.


e
enquanto
(não)
ultrapasso
meus próprios
abismos
as pontes continuam:
transpõe rios
ligam cidades
perpassam canais
e assinalam no espaço
por onde eu
(só)
passo
cada passadouro
no qual
possa
através delas
me
(re)encontrar.
Isnelda Weise

Pontes - haicais - Isnelda Weise

do lado da ponte

Ipê amarelo emoldura

a mulher que passa.



outro aguaceiro

na ponte de ferro lava

metade de mim.



no rio a imagem:

ponte de ferro reflete

calmaria da tarde.




sob a ponte o rio:

enquanto a cidade dorme

-noite tropical.

15.9.07

Haicai - Begônias -Isnelda Weise


Rude jardineiro
Reencontra alegria e alento
Nas frágeis begônias.

Haicai- Dálias- Isnelda Weise


As formosas dálias
Com seu intenso tom rosa
Fascinam passante!

Haicai- Barcos- Isnelda Weise


Antes da tormenta
Sem marinheiro, só mar
Barcos à deriva.

Haicai- Cerejeiras-de-okinawa- Isnelda Weise


O ancião contempla:
Cerejeiras-de-okinawa
Florindo, outra vez.

9.9.07

HAICAIS E Poemetos - Isnelda Weise - fotos tiradas no oeste do Canadá e Alaska- Agosto de 2007


igualdade
Inuit:
a
remoção
de uma
(só)
pedra
aparta
do
INUKSHUK
o
TODO
que
se perde.


Isnelda Weise
A escultura da foto, feita em pedra, é uma das muitas da arte dos Inuit (antigos esquimós). Chama-se INUKSHUK, e simboliza a igualdade entre todos os seres. Atualmente está em destaque, tendo em vista que será o símbolo dos jogos de inverno de Vancouver-2010. Por este motivo, hoje, para divulgação dos jogos, encontra-se estampada em camisetas, em forma de imagem decorativa, em pedra comum e até em pedra preciosa, em bonés etc.

8.9.07

Moraine Lake


Lago de outono-
A magnitude reflete
presença de Deus.

Já na passagem para o Alaska


O gelo desenha
Com lascas esbranquiçadas
Brumas sobre o mar.

Lago ao anoitecer


Ao anoitecer
Tece o luar prateado
Um véu sobre o lago.

Gelo sobre picos, em Whistler - visto do alto


Qual manta rendada
Gelo encobre montanhas
Cingindo o horizonte.

Janela entre o verde


Fenda na samambaia-
Numa vista inesperada
Descortina o mar.

Bosque, na ilha Victoria


Entre verde e ocre
Folhas do bosque aclamam-
início do outono.

Jardim na ilha Victoria


Fecunda semente
Reúne as flores do mundo
Num mesmo jardim.

Em pleno outono, flores e mais flores


Maria-sem-vergonha
Escolta o caminho e alegra
Quem por ele passa.

Caminho de acesso ao Bow Lake


Quimera ou retrato?
Depois da curva a paisagem -
Água transparente.

A caminho de Vancouver


Seguindo a auto-estrada
Montes, flores, rios e bosques-
Céu azul profundo.

Flores por todo lugar


Brincos- de- princesa-
Suspensos numa varanda
Pingentes florais.

Nem só de lagos vive o Canadá


Queda d'água verte
Espuma sobre rochedos
...e calma, prossegue.

Sobrevoando Whistler



Na tarde outonal-
Montanhas cingem o lago
Que pousa aos seus pés.


Outra vez: a flor




Eclodindo cores
A flor persiste na praça-
final de outono.

Bow Lake


Picos pontiagudos-
Límpida água do lago
Mescla terra e céu.

O Vale da morte



No vale da morte
Preenche o local com vida
Nascente de água.

Mulher solitária


Calmaria e saber-
Silenciosa sobre a pedra
A mulher e um livro.

Cascata na beira da estrada


Cascata cristalina-
Como tantas pelo mundo
Seu destino: o mar.

Jardim na ilha Victoria - meu reencontro com as Dálias.


Colhendo Dálias-
No jardim de minha infância
Mamãe as plantava.

Over The Bridge



over the bridge
I foresaw
that never
more
would be alone
and that
in your arms
dreams and solitude
and
the immense love
I have to give you
are
the only truth
of
our existence.


Isnelda Weise